Melanoma da coroideia

     O Melanoma da coroideia é o tumor maligno intra-ocular primário mais frequente nos adultos. Tem origem nos melanocitos. Pode evoluir de um nevo, ou surgir de novo, sem lesão pré-existente. São de causa desconhecida, mas como os melanomas da pele, surgem com maior frequência nas pessoas de pele e olhos claros, com tendência para as queimaduras solares.

     Inicialmente é em forma de cúpula, mas consoante o crescimento, adquire formas variadas, por vezes em cogumelo, quando rompem e crescem rapidamente para além da membrana de Bruck (membrana basal do epitélio da retina). Nestes casos, têm vasos sanguíneos proeminentes, e podem provocar uma hemorragia intra-ocular. De coloração variável, mas normalmente pigmentados. Podem também ser amelanóticos e difusos. À superfície têm pigmento alaranjado. Podem provocar um descolamento de retina secunário.

     Muitas vezes cresce sem dar sintomas e tem risco de metastisação para o fígado, pulmão e pele.

     Inicialmente são compostos por células fusiformes (menos agressivas, com pouca capacidade de disseminação), que provavelmente evoluem para células epitelioides (mais agressivas, com capacidade de disseminação), passando por uma fase de celularidade mista.

 

     O diagnóstico é feito por fundoscopia (directa e indirecta) e por outros exames, como
a Ecografia (baixa a média reflectividade, curva de absorção-ângulo K, escavação coroideia, silêncio extra-escleral),
a Angiografi Fluoresceínica (hiper-fluoresccência na fase venosa precoce, impregnação irregular tardia, vasos tumorais proeminentes - sinal da dupla circulação),
a Tomografia Computorizada (que não adianta muito para o diagnóstico),
e a Ressonância Magnética (tumor com hiper-sinal em T1 e hipo-sinal em T2).
     Em casos de difícil diagnóstico, pode ser necessário uma biópsia realizada com agulha fina.

 

     O tratamento deste tipo de tumores deve ser o mais precoce possível, pois os melanomas da úvea resistem mais ao tratamento que os melanomas da pele.

     Podem ser usados vários tipos de tratamento, como
     - a radioterapia (quer com placas quer com feixe de protões acelerados),
     - a LASERterapia (só para pequenos melanomas),
     - e a crioterapia.
     - A TermoTerapia Transpupilar (TTT) é um tipo de LASERterapia (que provoca uma hipertermia por radiação infra-vermelha) que pode ser muito útil nos pequenos melanomas do polo posterior do olho.

     Em geral, para tumores de tamanho médio, está indicada a braquiterapia com placa, que é o método de tratamento mais usual. Quando os tumores são de grandes dimensões (mais de 10mm de espessura e 15 mm de base), pode ser necessário recorrer à enucleação. Nestes casos, é colocada uma prótese que mantém a motilidade do globo enucleado.

     O tratamento conservador com radioterapia ou o tratamento cirúrgico com a enucleação, têm o mesmo prognóstico.

     Infelizmente, este tumor responde muito pouco à quimioterapia e à imuno-terapia actual.

 

     Se não são tratados, os melanomas intra-oculares podem:
     - provocar um descolamento da retina, com diminuição da visão, relâmpagos de luzes, e defeito do campo visual.
     - perfurar a retina e provocar uma hemorragia para o vítreo, com visão de moscas volantes e turvação da visão.
     - crescer através da esclerótica e invadir os tecidos peri-oculares.
     - dar origem a metastases.
 
     Factores de risco de pequenas lesões melanocíticas da coroideia darem metástases:
        - Espessura superior a 2mm
        - Sintomas
        - Proximidade do disco
        - Crescimento documentado
     Se não há nenhum factor de risco, há menos de 1% de risco de dar metástases
     Se estão presentes os 4 factores de risco, há cerca de 20% de risco de dar metástases.
 
     Factores que afectam o prognóstico:
     - Tipo celular (pior se células epitelioides)
     - Tamanho do tumor e tipo de crescimento
     - Presença de extensão extra-ocular
     - Actividade mitótica
     - outras
 
     Factores citogenéticos (obtidos por colheita de tecido na enucleação ou por biópsia por agulha fina se efectuado tratamento conservador):
     - alterações cromosómicas, cromossomas 3, 6, 8, e 9
     - cromosoma 3 disomia - 95% de sobrevivência aos 5 anos
     - cromosoma 3 monosomia - 50% de sobrevivência aos 5 anos

 

Pode ser útil a mnemónica To Find Small Ocular Melanomas:
    Thickness (espessura > 2 mm);
    Fluid subretinal (descolamento do neuro-epitélio da retina);
    Symptoms (sintomas);
    Orange pigment (pigmento cor de laranja);
    Margin (<3mm do disco óptico).
    Se não há nenhum destes factores, há menos de 5% de probabilidades de crescer nos próximos 5 anos;
    Se estão presentes mais de 3 itens, há 50% de possibilidades de crescer nos próximos 5 anos;
    Se estão presentes os 5 itens, há 95% de possibilidades de crescer nos próximos 5 anos;

 

¤ Links úteis sobre melanoma em: http://www.urlfo.com/phrase/choroidal-melanoma

Casos clínicos